Tapume! Festival de Graffiti para o Novo Museu do Ipiranga

22/01/2020

No sábado, 25 de janeiro, o entorno do Museu do Ipiranga – importante símbolo da cidade – foi agitado por um grande evento ao ar livre: o Tapume! Festival de Graffiti reuniu 35 grafiteiros com a missão de transformar em obra de arte os cerca de 200 metros de tapumes que protegem a fachada do novo Museu do Ipiranga, atualmente em obras de restauro e ampliação. O trabalho dos artistas pode ser acompanhado pelo público das 10 às 19 horas.

Para a ação, os artistas se inspiraram no tema “o visível e o invisível na História”, uma menção ao potencial do que o museu deve apresentar em sua reabertura. “As novas exposições contemplam espaços para curadorias compartilhadas que buscam ampliar as possibilidades de leitura e significação histórica de temas como o trabalho, a casa, o que é e o que faz um museu”, comenta Solange Ferraz de Lima, diretora do Museu Paulista, unidade da USP que engloba o Museu do Ipiranga.

Nomes de destaque da arte urbana como Binho, Chivitz, Minhau, Vermelho, Salmos, Kueia, Pas, Ronah, Pardal e Tikka participaram do evento. A escolha dos convidados contou com curadoria de Gustavo Cortelazzi. Conhecido como Verde, o artista é morador do Ipiranga e sempre explorou aspectos do cotidiano do bairro em seu trabalho. Para selecionar os participantes do Festival Tapume!, ele levou em conta a diversidade de gênero e de estilos artísticos, abarcando representantes de várias escolas. Durante a ação, o público foi incentivado a tirar fotos e postar em suas redes sociais com a hashtag #festivaltapume. A melhor imagem foi premiada com um shape de skate grafitado pelos artistas e uma camiseta.

A programação também teve ações como a palestra Arte Urbana no Século XXI, ministrada no Auditório do Museu (próximo às obras, endereço abaixo), às 10h, por Baixo Ribeiro, fundador da galeria Choque Cultural e coordenador do programa USP_Urbana. Foram oferecidas 50 vagas mediante inscrição prévia.

Às 11h30, aconteceu a oficina com o grafiteiro Guilherme Matsumoto, que assina seus trabalhos como XguiX. Com 20 vagas disponíveis, ela foi voltada para adultos iniciantes.

Às 15h, foi realizada uma oficina com o grafiteiro Verde, voltada para crianças e adolescentes de 8 a 14 anos. Toda a programação era gratuita.

Tapume! foi embalado, ainda, com música a céu aberto. Entre 10h e 14h, o DJ Julio Torres, que já tocou em festivais como Rock in Rio, Tomorrowland e Skol Beats, e tem parcerias com artistas como Junior Lima, Lenine e Maria Gadu, esteve no comando com um set pensado especialmente para o evento.

Esta foi uma atividade pública do museu, que iniciou em outubro do ano passado suas obras de restauro, ampliação e modernização, “Acreditamos que as atividades culturais são a melhor maneira para estabelecer um canal de comunicação com o público”, observa a diretora. “O Museu do Ipiranga está trabalhando não apenas para recuperar um valioso patrimônio histórico, mas para se aproximar ainda mais da sociedade.”

Restauro e modernização do Museu

O edifício, tombado pelo patrimônio histórico municipal, estadual e federal, foi construído entre 1885 e 1890 e está situado dentro do complexo do Parque Independência. Concebido originalmente como um monumento à Independência, tornou-se em 1895 a sede do Museu do Estado, criado dois anos antes, sendo o museu público mais antigo de São Paulo e um dos mais antigos do país. Está, desde 1963, sob a administração da USP, atendendo às funções de ensino, pesquisa e extensão, pilares de atuação da Universidade.

Foi fechado para visitação do público em 2013 e a expectativa é que seja reaberto em setembro de 2022, para a celebração do bicentenário da Independência do Brasil. Com duração de 30 meses, sua obra deve custar cerca de R$160 milhões e é patrocinada via Lei de Incentivo à Cultura por 13 empresas: Banco Safra, Bradesco, Caterpillar, Comgás, CSN, EDP, EMS, Honda, Itaú, Pinheiro Neto Advogados, Sabesp e Vale. Conta, ainda, com a parceria da Fundação Banco do Brasil e da Caixa. Ao seu término, o museu estará completamente renovado. Além de ampliado, o edifício seguirá as normativas atuais de infraestrutura, acessibilidade, sustentabilidade e segurança, com equipamentos especiais para a prevenção de incêndios.

 

PROGRAMAÇÃO
Tapume! Festival de Graffiti para o Novo Museu do Ipiranga
25 de janeiro de 2020 – 10h às 19h
Avenida Nazaré (entre a rua dos Patriotas e a rua Conde Vicente de Azevedo)